LIDERAR NÃO É DOMINAR

O estilo de liderança baseada na figura centralizadora, mandatária se mostra arcaica e amplamente rejeitada no mundo dos negócios e das relações de poder. Nos sistemas modernos, tal habilidade tem obtido melhores resultados quando o líder abandona a imposição, a truculência, a negatividade, fixando-se num fluxo superior de motivação, respeito, inspiração, promoção das qualidades dos comandados.
Liderar é uma premissa fundamental para o sucesso de uma organização, pois essa ação tem a força de determinar o “ritmo e direção” (LIMA, 2007 – A excelência em gestão pública: a trajetória e a estratégia do GESPÚBLICA), o norteamento das práticas em prol da qualidade dos serviços prestados.
Liderar é compreender-se apenas como uma parte importante de uma engrenagem e não como um ser supremo. Supremacia gera dissidências, desconforto, quebra do sentido de equipe, imobilidade, desmotivação e descomprometimento.
Atualmente, a ideia de parceria, de construção coletiva de propósitos, de evidenciamento de valores organizacionais, de qualificação e valorização dos profissionais, são elementos que fazem a diferença, que cativam os colaboradores a realizarem os objetivos traçados.