O BÔNUS E O ÔNUS: RELAÇÃO INTRÍNSECA

Amor, Sucesso, Poder, Fama, Dinheiro, Qualidade, Conforto, Relacionamento, Vitória, Derrota, Posição, Família, Escolhas, Opinião, todos esses aspectos, como muitos outros, possuem por um lado o bônus e de outro o ônus e, às vezes, nem mesmo essas fronteiras ficam perceptíveis. Parece injusto amar e ser alvo do desequilíbrio e desentendimentos gerado pelo sentimento.
O sucesso, o poder, o dinheiro geram satisfação, no entanto causa preocupação, cautela, medo, pressão, insegurança. Tem siso assim, uma falta de compensação plena, de felicidade completa, de vitória definitiva nos negócios, nas relações amorosas, etc.
Somos reflexos do ambiente e da própria globalidade, conduzidos e corrompidos pelo fator paradoxal. Seria como uma balança que tende a equilibrar as forças antagônicas, uma luta diária entre o bem e o mal, um embate eterno que faz com que não nos acomodemos, para não chegarmos aos nossos limites, ao ápice da prosperidade.
Passamos a vida toda aprendendo, mas quando vamos fazer uma prova já não nos lembramos do que estudamos. Contudo, ficam rastros que indicam caminhos possíveis para as respostas. É o ônus e o bônus, b-ônus!
Para lembrar é preciso esquecer, para acumular é preciso se desfazer de algo, para vencer são necessários (quase sempre) vencidos, para brilhar é preciso lidar com a “sombra” deixada para outras pessoas, para conquistar é inevitável aprender também a perder, para ser feliz é inevitável sofrer numa luta árdua e sem fim.
O bônus é uma meta, um objetivo que move as pessoas, que as tornam mais efetivas na vida, que as movem para a realização de seus sonhos, é a válvula propulsora da inventividade, criatividade, do trabalho, do esforço. O ônus é o elemento inquietante e motivador da melhoria, da qualificação, do crescimento, da necessidade da insistência, do valor da vida, dos triunfos e do próprio percurso.