MANIPULAÇÃO SOCIAL: PADRÃO E CONSUMO

As nossas vidas estão veiculadas a padrões estabelecidos culturalmente, existem rituais para uma infinidade de coisas: moda, beleza, conforto, requinte, formas de falar e comportar-se... Enfim, acostumamo-nos a agir conforme as normas de uma sociedade elitista e fantasiosa.
A alta burguesia define e pressiona formas de comportamento. O exemplo disso são os mais diversos manuais que massificam o comportamento humano na direção de um posicionamento ‘certo’: etiquetas, modelos de requinte e galhardia, corpo perfeito, regramento de alimentação, formas de prolongar a jovialidade, entre tantos outros.
Querem nos automatizar, dizer com o que gastar, beber, comer, divertir, sonhar, usar, acreditar... Nesse mundo globalizado e competitivo, nos querem na servidão dos interesses alheios. O livre arbítrio é uma das formas mais eficazes contra a tentativa de escravidão de nossas vontades.
Temos que confiar e impor aquilo que cremos. Se não, irão entrar em nossas mentes, percorrer nossas veiais, controlar nossos cérebros ao ponto de nos tornamos massa de manobra, zumbi dessa parafernália do consumismo e da manipulação midiática.
Querem-nos consumistas desvairados, nos querem superficiais e vazios para facilitar a persuasão, nos querem alienados ao mundo televisivo e ao universo do glamour, nos querem magros e nos querem gordos (paradoxal), nos querem vender a felicidade, mas ela não está nas prateleiras...