GOVERNO E POVO: EQUAÇÃO INJUSTA

Mais uma vez o governo federal fracassou no avanço do desenvolvimento do país, colocando-nos numa situação de crise e níveis de crescimento muito abaixo do esperado. De um lado, péssimas decisões político-econômicas, do outro, o contribuinte que, no final, paga a conta.
O povo brasileiro têm sentido o peso cruel da mão “protetora” do Estado, que aumenta o custo de vida, que eleva a inflação, que desestabiliza a economia nacional, que está entranhada na corrupção, para no fim penalizar os trabalhadores brasileiros.
É uma equação injusta. Atualmente, com um sistema econômico e político fragilizado, sobre o Brasil pesa a desconfiança, menos investimentos, desaquecimento, arrocho salarial, gerados por um governo omisso e corrupto.
A operação lava-jato não deixa dúvidas de que os partidos da base governista se mantiveram no poder com o auxílio de um caixa 2, que hoje motiva, entre outras coisas, uma severa e necessária reforma política. O sistema é repleto de vícios e máculas...
Diante da crise, da conta que não fecha, o governo engendrou uma série de decisões e mudanças no sentido de tapar o buraco que ele mesmo abriu. A farra do dinheiro nos levou para o abismo!
Agora são reajustes de todo tipo: da conta de luz, água, gás, gasolina, alimentos e produtos domésticos, mudança no imposto de renda, corte de gastos e desonerações, novas formas de arrecadação de impostos. Mas o salário do trabalhador sempre abaixo da linha da inflação...
Ao final, quem paga a conta? Não tenha dúvida, somos nós, povo brasileiro. E quem mais sofre com isso? Lógico, os mais pobres e necessitados! E com o aumento dos tributos teremos saúde, educação e segurança pública com maior eficiência? A resposta, todos sabem; a maioria sente na pele...