LUÍS GOMES E A SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA

Domingo é dia de feira em Luís Gomes e de repercussão dos fatos semanais. Pelas esquinas o assunto em destaque não era os preços dos produtos, nem a vida política do município, mas a acentuada violência traduzida em furtos e roubos de motos.
Uma realidade nova e desagradável. Vivemos tempos em que o perigo pode estar em cada esquina, na espreita, aguardando a oportunidade certa e sorrateira do ataque ao patrimônio e a dignidade dos luisgomenses. Nossos lares precisam ser blindados?
Convivemos com um novo cenário de artimanhas, "expertise" e insegurança. Não são apenas carros, motos, bicicletas, TVs e computadores que correm um iminente risco de extravio, até cidadãos correm o risco de sequestro, a exemplo da jovem KSS, de 18 anos.
O nosso cotidiano perdeu a tranquilidade e o título de cidade pacata. Vivemos agora em permanente estado de alerta e de preocupação. Reprimir o crime é necessário, mas é ainda mais fundamental que haja a ‘repressão’ das desigualdades sociais, da inclusão das periferias e efetivação de uma cidadania mais justa.
É necessário, primeiramente, combater as causas, o nascedouro dos problemas, não só os efeitos. Se essa lógica não for obedecida a chance da criminalidade avançar é bem razoável.