EMPARN REGISTRA CHUVAS EM TODO O RN

No feriado prolongado, desde a manhã de quinta-feira (30) até a manhã desta segunda-feira (4), a gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), registrou chuvas em 72 postos pluviométricos espalhados por todas as regiões do Estado. 
Chuvas de grande média e pequena intensidade. As chuvas mais fortes foram registradas na mesorregião Leste, principalmente em São Gonçalo do Amarante (Base Física da EMPARN), com 70,0 milímetros. 
Em Canguaretama foram 60,4mm; Natal, 34,8mm; Nísia Floresta, 33,4mm; Extremoz, 32,3mm; Montanhas, 28,6mm e ainda em cidades como Maxaranguape e Pedra Preta.
Choveu forte também na região Oeste, com destaque para os municípios de Messias Targino, com 37,0 milímetros (mm); Mossoró (36,0mm); Olho D’água dos Borges (26,0mm); Rafael Godeiro (25,2mm); Upanema (24,5mm) e, ainda em Luís Gomes, Severiano Melo, Umarizal, Baraúna, Felipe Guerra, Lucrécia, Riacho da Cruz e Ipanguaçu.
As precipitações também atingiram outros municípios das regiões Seridó, Central e Agreste, como Jardim De Angicos (36,0mm); Cerro Corá (35,2mm); Cruzeta (Base Física da EMPARN ), 20,8mm; Pedra Preta (19,0mm) e, ainda em Bodó, São Bento do Norte, Pedro Avelino, Lajes, São João do Sabugi, São José do Seridó e Santana do Seridó. Foram registradas ainda chuvas Monte Alegre, 27,0mm; Monte das Gameleiras, 24,0mm; Passa e Fica, Vera Cruz, Lagoa de Pedras e Lajes Pintadas. A previsão da meteorologia para a faixa litorânea leste e para o agreste nos próximos dias é de ocorrência de pancadas de chuvas isoladas devido a influência do vento e da umidade.
Fonte: www.emparncaico.com

MAIO CHUVOSO EM LUÍS GOMES
De domingo (03/05) para segunda (04/05), Luís Gomes registrou um volume de 62 mm de chuva, o que corresponde, para cada dia, a 30 e 32 mm, respectivamente.
As chuvas aliviaram a situação dos agricultores locais, que pela inconstância de precipitações nas últimas semanas, já contam com perdas de parte da safra de feijão e milho, principalmente.
Tendo em vista a média de chuvas até o início de maio, a previsão é de que o açude Lulu Pinto, não consiga armazenar volume necessário a retomada de abastecimento da população luisgomense.