LUÍS GOMES/RN: TEMPO DE AUSTERIDADE

Não é segredo para ninguém que o município de Luís Gomes está submerso numa ampla e profunda crise que pode ser qualificada de financeira, cultural, política, hídrica e social.
Essa não é uma condição exclusiva da localidade, é uma realidade do Alto Oeste Potiguar, da Paraíba, do Nordeste, do Brasil e do Mundo. O resultado dessa ampla recessão é inflação, desemprego, altos juros, diminuição de investimentos e vendas e muito mais.
É nesse contexto que os luís-gomenses estão inseridos, num caos gigantesco sem grandes perspectivas de crescimento e de equilíbrio financeiro e fiscal. E foi justamente o desequilíbrio e a irresponsabilidade administrativa do município que agravaram ainda mais a situação em que hoje nos encontramos.
O atual momento preciso e deve ser de austeridade. Isso mesmo! Temos que cortar na própria carne, em tempos de crise. Nada de sonhos mirabolantes. É hora de otimizar recursos, eliminar gastos, enxugar as contas, aniquilar qualquer ato ilícito ou corrupto que enfraquece a municipalidade.
Para a vencedora da eleição suplementar de 05 de julho, os louros e as cruzes. Certamente, mais cruzes. As contas públicas do município estão exauridas, estagnadas, completamente no vermelho. Para isso não há mágica! A palavra de ordem é austeridade.
E para isso é prudente a extinção, ao máximo, de cargos comissionados e contratados. Revisar, criteriosamente, as gratificações indevidas. Renegociar as dívidas e diminuição de juros. Gastar com economicidade e com aquilo que for essencial e estritamente necessário.
Serão tempos difíceis, sem dúvida, mas importantes para readquirir maior equilíbrio, solidez, confiabilidade e tranquilidade. O trabalho na próxima administração de pouco mais de um ano será de limpar a casa, sanear as contas públicas e fortalecimento de um alicerce para novos saltos no futuro.
Aos colaboradores de campanha, doadores econômicos, familiares e amigos, cabe a consciência e colaboração de não gerar uma pressão por contribuições ou retribuições. O instante solicita uma postura menos egoísta e mais altruísta.
Contudo, certamente a pressão será enorme para a continuidade de nepotismos, contratações de forma excessiva, distribuição política de cargos... Entretanto, se todos desejamos reconstruir ou renovar Luís Gomes a atitude e a concepção deverão ser solidárias, responsáveis e colaborativas.
Os políticos precisam acreditar, e a sociedade também, que o melhor marketing, a melhor propaganda política, a melhor forma de conseguir a aprovação social, a melhor maneira de liderar, é através de um governo aberto, planejado e responsável. Temos que acreditar que governo de favores, imediatista, ditatorial e desarticulado já não representa a sociedade moderna.
Por muitas razões e pela situação caótica que Luís Gomes se encontra, não há dúvida, os administradores públicos falharam. Não importa, nesse momento, especificar quem e nem quantos foram. Os erros servem para se fazer diferente. Quem terá a coragem de ser diferente?  Quem terá peito para colocar o município no rumo certo?
A crise nos ensina a ser melhores, a viver com mais qualidade, a ter uma existência mais crítica e estratégica diante da realidade. Quanto mais cedo entendemos os sintomas da crise, mais eficiente e menos danoso será os resultados.
É aguardar para ver...