RESUMO: FIGURAS DE LINGUAGEM

Figuras de som
a) aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais. “Belos beijos bailavam bebendo breves brumas boreais” (Luan Farigotini). “Vozes veladas, veludosas vozes, Volúpias dos violões, vozes veladas, Vagam nos velhos vórtices velozes Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.” (Cruz e Souza).

b) assonância: consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos. “Ó Formas alvas, brancas, Formas claras” (Cruz e Sousa). "Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral."

Figuras de construção
a) elipse: consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto. “Na sala, apenas quatro ou cinco convidados.” (omissão de havia). “As rosas florescem em maio, as margaridas em agosto”. (As margaridas florescem em agosto.)

b) zeugma: consiste na elipse de um termo que já apareceu antes. "Ela come pizza; eu, carne." (omissão de como)

c) pleonasmo: consiste numa redundância cuja finalidade é reforçar a mensagem. “Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal” (Fernando Pessoa)

d) anáfora: consiste na repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases. “Se você gritasse, / se você gemesse, / se você tocasse / a valsa vienense, / se você dormisse, / se você cansasse, / se você morresse…” (Carlos Drummond de Andrade).

Figuras de pensamento
a) antítese: consiste na aproximação de termos contrários, de palavras que se opõem pelo sentido. "Eu vi a cara da morte, e ela estava viva". (Cazuza)

b) ironia: apresenta um termo em sentido oposto ao usual, obtendo-se efeito crítico ou humorístico. “A excelente Dona Inácia era mestra na arte de judiar de crianças.”

c) eufemismo: substitui uma expressão por outra menos brusca; suaviza alguma afirmação desagradável. Seu Jurandir partiu desta para uma melhor. (em vez de ele morreu)

d) hipérbole: trata-se de exagerar uma ideia com finalidade enfática. Estava morrendo de fome. (em vez de estava com muita fome)

e) prosopopeia ou personificação: atribui sentimentos, comportamentos, ideias humanas aos seres inanimados, animais etc. “Devagar as janelas olham...” (Carlos Drummond de Andrade). “As árvores pedem socorro!”

f) gradação: é a apresentação de ideias em progressão ascendente ou descendente. “O primeiro milhão possuído excita, acirra, assanha a gula do milionário.” (Olavo Bilac)

Figuras de palavras
a) metáfora: caracterizada pelo estabelecimento de uma analogia (relação de semelhança) entre duas expressões ou palavras, estabelece uma transferência de sentido entre ambas. “Meu coração é um balde despejado” (Fernando Pessoa). “A paixão é fogo”. “As luzes brilhantes olhavam-me.” “Meu pensamento é um rio subterrâneo.”

b) metonímia: A metonímia consiste em empregar um termo no lugar de outro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de sentido. “Lave as panelas com Bombril e bastante detergente” (Na verdade, se lava com esponja de aço). “Comi um prato de macarrão!”. “Os flashes o seguiam aonde fosse”. “Meu filho adora Danone.”

c) catacrese: ocorre pela falta de um termo específico para designar um conceito, torna-se outro por empréstimo. “O pé da mesa estava quebrado”. “Asa da xícara”. “Batata da perna”.

d) sinestesia: trata-se de mesclar, numa expressão, sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. "Como era áspero o aroma daquela fruta exótica" (Giuliano Fratin).