LUÍS GOMES/RN: GOVERNANÇA SOB PRESSÃO

Ainda é muito cedo para se fazer uma crítica substancial ao governo de Mariana Fernandes, que assumiu a função de prefeita de Luís Gomes em 1º de agosto desse ano. É prematuro, mesmo que urgente, realizar cobranças imediatistas.
Evidentemente, o município está sedento por um novo modelo de gestão, que alie inteligência e trabalho. Há tempos que vivíamos em meio às trevas, na Idade Média, mas agora a esperança é que o rumo seja de crescimento.
De qualquer forma, a atual gestão carregará um fardo pesado, uma árdua missão: superar com resiliência os problemas atuais e realizar além daquilo que é possível. A população ainda está sob efeito da carência de trabalho, cuidado, afeto e resultados.
Mariana e Luciano além de se “virar nos 30”, com recursos humanos e financeiros minguados e uma série de responsabilidades e dívidas, ainda precisarão de jogo de cintura e muito diálogo para absorver os impactos da pressão esquerdista, de populares e, certamente, de investidas do Ministério Público.
A pressão sempre existiu, mas em tempos de grandes desafios e poucas oportunidades, além de uma resistente crise que afeta o país e a economia das famílias, a cobrança será ainda mais persistente.
Não tenha dúvidas, caro leitor, de que qualquer deslize ou ‘brecha’ será usada pela oposição (principalmente) como argumento desfavorável e reprovável a conduta dos atuais administradores. É certo que a crítica deve ser dura e positiva quando houver desajuste, desequilíbrio ou ilegalidade, contudo leviandades possam ocorrer, como já se tem notícia.
É certo que o jogo de mentiras, a tentativa de bleffe, a incitação dos ânimos da população, dentre outros meios ora escusos, ora persuasivos, ora sarcásticos, não é atributo apenas de uma esfera de poder, mas táticas recorrentes e retumbantes...
Por isso, é importante que a população esteja bem informada, se faça presente em momentos deliberativos e consultivos dos órgãos da administração e que sejam atuantes e participativos na gestão descentraliza.
É importante dizer que nem todos os veículos de comunicação são confiáveis. Observem, com criteriosidade, canais e portais que apresentem maior confiabilidade e argumentos factíveis para que, com seriedade, possam formar uma linha de raciocínio e opiniões.