LUÍS GOMES: COMO COMBATER A COMPRA DE VOTOS?

Em Luís Gomes, todos sabemos que a compra de votos é uma prática comum e reiterada, que tal práxis corrói e destrói, substancialmente, a estrutura democrática e cidadã que haveria com o voto consciente.
Além disso, é evidente os eleitos a partir da compra de votos irão se preocupar, basicamente, com seus passivos e sua posterior capitalização e manutenção do projeto de poder. Por isso, muitos candidatos aos cargos eletivos se utilizam de paternalismos, clientelismos e fazem “pose”.
Hoje, no grupo do WhatsApp “Luís-Gomenses”, discutíamos sobre o assunto e o quanto isso fere à democracia, à dignidade e os interesses de uma coletividade. Observamos que o abuso de poder político e econômico e a vulnerabilidade dos cidadãos (financeira e intelectual) favorecem a um processo injusto e ineficiente.
É verdade que a criação da Lei nº 9.840/99 (veda a compra de sufrágios) e da Lei Complementar nº. 135/10 (Ficha Limpa) são ferramentas importantes para disputas de pleitos mais ponderados, mas ainda assim insuficientes.
A mudança pede uma participação mais efetiva dos órgãos fiscalizadores e dos próprios eleitores. Dessa forma, seria fundamental que a Justiça Eleitoral ampliasse o controle não apenas após as disputas, mas antes também, observando as reuniões, as convenções, os comícios, entre outros. Da mesma forma, é meritório a conscientização dos votantes e as denúncias da comunidade, como forma de inibir práticas abusivas e criminosos contra o direito livre do voto e à soberania popular.
É relevante que mais pessoas cobrem por gestões de eficiência e não de "paternalismos". Impor limitação de saques e transferências bancárias por candidatos, representantes de partidos políticos e coligações que disputam cargos eletivos.
Obrigar os postos de combustíveis a fornecerem a relação dos tickets de combustíveis adquiridos por candidatos, pessoa jurídica, legendas partidárias, coligações e também por pessoas físicas que adquirirem quantidade superior a 100 litros.
Uma arma poderosa para coibir e denunciar a compra de votos é o aparelho celular, que poderá ser usado para gravações e filmagens que comprovam e comprometam os candidatos.
Essas seriam algumas estratégias que podem ser utilizadas para a diminuição da compra de votos e que possam garantir uma disputa mais justa e equilibrada.