LUÍS GOMES: MUDANÇAS NO BOLSA FAMÍLIA

O novo governo federal tem duas estratégias claras em relação a continuidade do Programa Bolsa Família: o seu melhoramento a partir de reajuste salarial e ampliação de sistemas de fiscalização, medidas que, certamente, dificultarão o acesso ao Bolsa Família.
O tema já tem sido alvo de discussões e polêmicas. Entretanto, o grande objetivo das novas medidas é de aprimorar as regras de acesso e permanência, realizar um pente-fino nos beneficiários e a exclusão daqueles que não se adequam às regras de admissão.
O programa abriga mais de 50 milhões de pessoas e são vários os casos de fraudes, desvios de recursos e corrupção. Para ilustrar a questão, em 2013 descobriu que 2.168 políticos (em exercício) recebiam o benefício do programa. Nesse ano, 500 mil funcionários públicos também eram contemplados de forma inadequada.
Para evitar essas e outras distorções, uma das medidas que serão tomadas é o cruzamento amplo de informações de beneficiários. Além dos dados do TSE, ainda serão cruzadas informações do Bolsa Família com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Sistema de Controle de Óbitos (Sisob), a folha de benefícios do INSS e FGTS.
Em se tratando de Luís Gomes, certamente haverá alguns cortes no Bolsa Família, por dois motivos: o primeiro devido ao aprimoramento do sistema de fiscalização, que terá, inclusive, a obrigatoriedade de CPF para as crianças; segundo porque algumas pessoas recebem o recurso sem atender os critérios fundamentais do Programa.  

Vamos aguardar os desdobramentos.