JUCAM E JUNAC: PARTICIPAÇÃO E FRATERNIDADE

A juventude luís-gomense tem papel importante nas mudanças e conquistas políticas, econômicas e, principalmente, socioculturais do município. Os jovens possuem essa força, esse poder para transformar, mobilizar e revolucionar a realidade em que vive.
Historicamente, nessa fase as pessoas estão mais abertas e propensas a renovação, a pleitear, a questionar, com “espírito crítico na identificação de soluções inovadoras e vontade de mudança” (Eco Desenvolvimento).
Nos anos 60, 70, 80 tivemos uma juventude engajada, vibrante, motivada a construir uma sociedade melhor, vislumbrando ideais de justiça, inclusão, igualdade, superando problemas cotidianos, frente a governos mais centralizados.
Em Luís Gomes tivemos alguns grupos que se destacaram pela organização social, pela a atitude participativa, mobilizadora, voluntária, com um olhar voltado à consciência social. É o caso do Banda de Música Paroquial Dr. Vicente Fernandes Lopes, Rotary, Rotaract, Azul-Marinho, Grupo Mutirão, JUCAM e JUNAC, Terço dos Homens, a Orquestra Funffec de Cordas, entre outros.
Evidentemente, alguns grupos se destacaram na assistência e organização social, outros na formação educativa e profissionalizante e até os que se voltavam para a conscientização de uma vida cristã e de união comunitária.
Nos anos 80, mais precisamente em 1982, surgiu o JUCAM (Juventude Unida em Cristo Por um Amor Mútuo) e, um ano depois o JUNAC (Jovens Unidos Numa Ação Cristã). O JUCAM tinha uniforme num tom azul bebê com o símbolo de uma pomba. O JUNAC tinha um uniforme vermelho, com a impressão do rosto de Cristo à frente. Cada um tinha seu papel na sociedade luís-gomense, associações que contribuíam com uma comunidade mais fraterna e participativa.
O JUCAM foi uma iniciativa inovadora no município. Partiu da sensibilidade e da generosidade de Alsenir Firmino Pereira Nunes, conhecida como Criança (in memoriam), juntamente com a parceria de Maria Gerusa e, de sua irmã, Aldenir Pereira. A sede do grupo localizava-se, à época, na Rua Adolfo Paulino, no anexo do Colégio Comercial Padre Osvaldo, onde havia reuniões semanais aos sábados.
Dentre os projetos da agremiação destacavam-se a realização de torneios esportivos, comemoração de festas juninas, organização de peças teatrais e a idealização, elaboração e direção da primeira festa de Emancipação Política de Luís Gomes, ocorrida em 1983, com desfile cívico e participação do batalhão de polícia, júri simulado na praça, encenação com as figuras de Luís Gomes de Medeiros e Escravo Jacó e festa dançante no Mercado Público.
A inovação, o arrojo, a organização capitaneada pelos jovens foi tão impactante, positivamente, que o então prefeito, Aguinaldo Fernandes Dantas, se dispôs a contribuir e colaborar com o evento que, dali em diante, se tornaria um dos eventos mais importantes e tradicionais do município.
Como parte da identidade do grupo, ainda tinha o hino, que dizia assim: “Todos os jovens dessa nação/ se junta pelo mundo mais humano/ onde haja mais união/ amor ao próximo e temor ao soberano/ a juventude de Luís Gomes/ representada por esse grupo juvenil/ a cada dia, anseia e sonha/ pelo melhor futuro do Brasil/ JUCAM, JUCAM!”.
Dentre os jovens que participaram do JUCAM podemos mencionar, Criança, Aldenir, Gerusa, Dalvaci, Luzimar, Jaldeisa, Elizabeth, Belzinha, Roberto de Lindalva, Adelaide, Lúcia da Telern, Zé de Mário, Canindé, Marineide e Filho dos Correios.
À sua maneira, o JUNAC também apresentava uma importância na municipalidade, atuando nos campos social e religioso. Talvez, uma das grandes missões desses jovens unidos seria o fortalecimento da fé e da esperança, sem a qual não há um futuro promissor.
Tudo começou com uma turma de coral infantil, organizada pela Irmã Imaculada, como um idílio da Paróquia de Senhora Santana. Com o crescimento da garotada, surgiu a ideia de formar um grupo juvenil, atuante, motivado, ocupado com ações de caridade, lazer e convivência fraterna.
Era o único grupo registrado da paróquia. As reuniões eram semanais. Participavam efetivamente de eventos religiosos (missas dominicais, Paixão de Cristo, organização da missa dos ramos, realização de coletas, leituras e cânticos), culturais (quadrilha junina, peças teatrais, danças folclóricas como maneiro pau, a burrinha, cocos, dança da peneira e bailado das camponesas) e sociais (serenata das mães, brincadeiras populares como pombo-correio).
O JUNAC era coordenado por Maria do Carmo e composto por jovens como Graciene Cavalcante, Solange Batista, Maria da Paz (Paizinha), Carlos Ney, Rivane, Dé de Bida, Renilza, Itamar, Elaine, Rosimere, Ana Gracilda, Vânia de Tuca, Carmem de Maria do Carmo, Claudenir, Cadiquinha, Nataline, Levi e Ricardo (in memoriam), Domingos Neto, Beta e Lindonjonhson, entre outros.
Portanto, foram grupos de jovens que participavam ativamente da vida social, cultural e religiosa do município, contribuindo e disseminando valores de uma comunidade mais solidária, irmanada e esperançosa em seu papel transformador. Plantaram uma importante semente no seio da sociedade luís-gomense, de positividade, de amor ao próximo, de união, na discussão dos problemas sociais, no poder de organização e transformação da própria realidade. Exemplos assim não podem se perder, devem ser levados adiante, porque transformam vidas e renovam as esperanças de mundo mais justo.    

Agradecimentos:
Graciene Cavalcante de Araújo
José Lucas Morais Filho
José Washington de Lima
Maria do Carmo da Conceição Carlos.