MAIS UM ASSALTO EM LUÍS GOMES

Na noite deste domingo, 16 de outubro, o casal Marcelo Costa e Ana Almira foram assaltados por dois delinquentes quando se aproximavam de casa, bem próximo ao beco de Assis Vitor, no centro da cidade de Luís Gomes.
Dois bandidos agiram no crime, sendo que um ficou na moto e o outro desceu com um revólver em punho, realizando a abordagem e usurpando os celulares tanto dela quanto dele. A ação foi rápida e letal. Os bandidos sabiam exatamente como e onde agir.
Acionada, a Polícia Militar fez os procedimentos de práxis, com ronda, na tentativa de localizar os malfeitores, mas nenhum resultado efetivo foi conquistado até o presente momento. Enfim, a polícia tem realizado o papel que lhe cabe, levando-se em conta a mínima estrutura disponível.
Enquanto isso, a população se vê, mais uma vez, vulnerável, suscetível à ação de delinquentes que agem de forma ardilosa e traiçoeira contra pessoas de bem. Diante de mais um caso de violência, várias pessoas fazem duras críticas (na postagem da rede social do vice-prefeito) do tipo “Luís Gomes mudou pra pior”, “Luís Gomes está ficando destruída...”, “a polícia sabe quem é...”.
As repetidas cenas de violência, sejam através de furtos, roubos e assaltos, deixam muitos luís-gomenses aflitos, a ponto de fazerem duras críticas, inclusive algumas mais emocionais do que racionais. Por isso, a questão da segurança deve ser levada mais a sério, porque os casos de criminalidade só têm aumentado em nosso município. Ninguém quer ser a próxima vítima. Ninguém deseja ficar sob a mira de um revólver!
Como já dissemos em comentários anteriores, a violência é reflexo das desigualdades, da exclusão de parcelas da sociedade e da reprodução de um sistema imediatista e consumista. O nosso cotidiano perdeu a tranquilidade e o título de cidade pacata.
Vivemos agora em permanente estado de alerta e de preocupação. Reprimir o crime é necessário, mas é ainda mais fundamental que haja a ‘repressão’ das desigualdades sociais, da inclusão das periferias e efetivação de uma cidadania mais justa.
É necessário, primeiramente, combater as causas, o nascedouro dos problemas, não só os efeitos. Se essa lógica não for obedecida a chance de a criminalidade avançar é bem razoável, como temos observado...