SUPER LUA: ESPETÁCULO DE ENSINAMENTOS

A lua está magnífica, encantadora, reluzente, admirável. Parece pouco? Tudo vale a pena se a alma não é pequena, dizia Fernando Pessoa. A sua luminosidade, singularidade, simplicidade nos ensina muitas coisas.
Quem olha esse satélite com algum fascínio, certamente ainda possui aquela magia intrigante de ver as coisas e seus mistérios, seus enigmas e encantamentos. Quem valoriza um momento assim vislumbra um ‘universo’ de possíveis felicidades...
É um instante poético, lírico, mágico, de pura beleza. Há quem diga ser tolice. Há quem nem sequer tire um minuto do seu precioso e corrido tempo para contemplar. Vai lá, dá uma espiadinha! Esqueça por um momento o seu “decadente” celular de última geração...
Quem não faz coisas simples como olhar uma lua tão bela, condenado está ao caos, a celeridade, a propósitos que não preenchem verdadeiramente a alma... Ela, a lua, nos ajuda a entender a felicidade das coisas simples, a viver o ócio das coisas vãs, a sentir prazer na doçura e na plenitude do tempo, a educar o nosso olhar de contemplação, a olhar mais para dentro de cada um de nós.