A ORIGEM DE LUÍS GOMES E A SUA FUNDAÇÃO

Ao povo Luisgomense / Atenção, muita atenção / Vou escrever uma história / Do tempo da tradição / Falo sobre Luís Gomes / E a sua fundação.
Luís Gomes e sua gente / Que nasceu para ter sorte / Ela é localizada / Numa terra boa e forte / Na região alto oeste / Do Rio Grande do Norte.
Município Brasileiro / No interior do estado / No oeste potiguar / Segundo, estou informado / Na tromba do elefante / Onde existe um povo honrado.
Luís Gomes de Medeiros / Homem de alto valor / A quem devemos chamar-se / O grande desbravador / Da serra do Bom Jesus / Seu legítimo fundador.
Em 1756 / O tenente-coronel / Luís Gomes de Medeiros / Aquela alma fiel / Veio a serra de Bom Jesus / Desempenhar seu papel.
O tenente-coronel / Nunca ele esteve só / Uma pessoa querida / Vindo lá de Caicó / Veio trazendo consigo / O seu escravo Jacó.
O seu escravo Jacó / Um trabalhador fiel / Cheio de honestidade / De excelente papel / O homem da confiança / Do tenente-coronel.
O tenente-coronel / Como era um homem puro / Cubou todo o ambiente / Achou o lugar seguro / É apropriadamente / Pra construir o futuro.
Achou o sertão bonito / Teve bastante alegria / Viu a serra verdejante / Encheu-se de simpatia / E pensou em construir / Pra si, uma moradia.
Combinou com seu escravo / Porque lhe tinha atenção / Construiu uma casinha / Porque teve precisão / A primeira construída / Nessa bela região.
Viu que as terras eram boas / Começou a cultivar / Plantando milho e feijão / E foram experimentar / Plantações de mandioca / Deu em primeiro lugar.
Diversas árvores frutíferas / Plantaram com mais certeza / Em fase experimental / Achou nisso uma beleza / Conheceu que ali era / Uma fonte de riqueza.
Mas foi preciso deixar / O seu escravo Jacó / Porque teve precisão / Regressou ao Caicó / Na serra do Bom Jesus / Deixando o escravo só.
E disse para o seu escravo / Tu és homem de verdade / Eu sou passar pra você / A responsabilidade / Só volto depois de um ano / Parto sentindo saudade.
O seu escravo ficou / Cuidando da plantação / Com seus meses tinha de mais / Milho, batata e feijão / As árvores frutificando / Deixando satisfação.
Luís Gomes de Medeiros / Com um ano ele voltou / Bem alegre e satisfeito / Com o que ali encontrou / Com aquela grande fartura / Estupefato ficou.
O pessoal lá de fora / Vendo a realidade / E vendo que a serra tinha / A maior fertilidade / Vieram construir casas / Atrás da felicidade.
Vieram muitas pessoas / Começaram a construção / Construindo as suas casas / Com muita dedicação / Foi germinando a semente / Da nova povoação.
Foram cultivar o solo / Acharam bom de verdade / Também praticando a caça / Que havia em quantidade / O novo povoamento / Tornou-se realidade.
Logo o comercio cresceu / Aumentou o seu valor / Devemos agradecer / Ao seu povo com amor / E o trabalho obstinado / Do grande desbravador.
Ao passar dos muitos anos / A grande realidade / Os moradores dali / Decidiram de verdade / E mudaram mesmo, o nome / Daquela localidade.
Mudaram para Luís Gomes / Nome de alto valor / Numa homenagem merecida / Ao grande desbravador / Luís Gomes de Medeiros / O grande conquistador.
Em 1890 / O município é criado / No dia cinco de julho / Eu ainda estou lembrado / A lei nº 31 / Eu não estou enganado.
Possui seus pontos turísticos / Que achei interessante / Como o Alto do Tabor / É uma obra importante / A cachoeira do Relo / E as belezas do Mirante.
Meus leitores escrevi / A história verdadeira / Resgatando do passado / Coragem e força altaneira / O homem que descobriu / Serra linda brasileira.
A grande força divina / Não desprezou essa terra / Todos vivem satisfeitos / Unidos sem fazer guerra / Nesta belíssima cidade / Eterna felicidade / Seus bens que a vida encerra.
Por Marcos Antunes de Andrade.
Poema escrito em sextilhas.