LUÍS GOMES RN: PASSANDO A PALAVRA

Que time é esse que está jogando com o nome do 26 de julho? Era para ser outro nome, só assim não manchava a grande história do futebol da nossa cidade (Laércio Júnior).
Esse 26 de julho é só um genérico, nós fomos tetracampeão do já instinto Copão Cultura (Antonio Fermino).
Enquanto não mudar a forma de pensar dos que estão no comando, vai ficar nisso aí para pior, vocês que estão no meio do futebol poderia (sic) discutir a respeito de uma melhora ou poderia dar chance a quem nunca teve, belo texto (Hugo Rafael).
O 26 ainda não conseguiu ganhar a primo, e pelo jeito que vai tá cada dia mais distante desse título que ainda falta (Caiky Fernandes).
O 26 de julho era timão na época que tinha João Preto, camisa 10 do time, quem se lembra? (Carlos Meneses).
O futebol de Luís Gomes tá todo desmantelado. Se tem jogo no domingo os jogadores começam a beber no sábado, chega o dia do jogo vão jogar tudo de ressaca. Entra em campo não joga 20 minutos pede para sair. Como é que vão conseguir alguma coisa. Falta disciplina no futebol luís-gomense (Rivailson Silva).
O futebol de Luís Gomes está faltando é organização por parte da comissão técnica. A equipe do 26 de julho não tinha organização, tem que ter mais compromisso e honra. A camisa do 26 por onde já passou (sic) vários craques do futebol luís-gomense, vamos ter mais compromisso com a equipe! (Adailton Freitas).
Enquanto não haver organização, força de vontade da comissão técnica do 26 de julho a organizar mais o time e saber preparar o time para uma competição tão grande como é a Primo Fernandes (Matheus Messi).
O futebol luís-gomense é muito injusto, ninguém lembra daquela equipe que foi campeão (sic) de forma invicta dos JENR’s, jogando um futebol brilhante em Natal, poucos daqueles atletas tiveram chance de jogar no 26 de julho, talvez daquele tempo já começava o erro no 26, o medo da renovação (José Carlos).
Essa data da fundação do 26 de Julho, ela foi inventada, que conversa é essa de 1978, a criação desse nome já foi nos anos 80. Parem com isso! Mais uma vergonha! (Parcifal Pereira).
(...)